Perdi meu primeiro bebê e nasceu meu amor

16.08.2013

selo materia mae amiga

 

Luciana Contin de Mello

Mãe da Giovana (4 meses)

♥ Na primeira gestação, o filho Lucca não tinha os dois rins… mas ela engravidou de novo e Giovana é seu presente de Deus

 

Eu sempre, desde criança, nunca pensei que “ia ser tal coisa quando crescer”… pensava que queria casar e ter uma família. E isso foi influência da minha mãe… não por ela não trabalhar, porque é professora e trabalha muito até hoje, mas pelo amor que ela sempre demonstrou a mim e ao meu irmão…

Então, me casei em outubro de 2010 e, já em janeiro de 2011, parei com o anticoncepcional para ir desintoxicando o organismo – já que tinha tomado por bastante tempo – e, em maio, eu e meu marido fomos à minha ginecologista para saber quando poderíamos começar a tentar! Ela me disse: “Luciana, podem começar já! E te aviso que mulher casada tem período fértil, então, não deixe de tentar nos dias exatos!”. E então, nos demos conta que, naquela semana, começaria meu período fértil, começamos as tentativas e, surpreendentemente, ENGRAVIDEI no primeiro mês!

Foi uma felicidade imensa, e então fomos planejando tudo, fizemos a sexagem fetal com 9 semanas e descobrimos que nosso Lucca estava vindo!

Eu não sei vocês mas, para mim, passadas as primeiras 12 semanas, com aquela coisa de o risco ser maior e tal, eu me entreguei ainda mais à gestação…. E era tão bom rezar com nosso filhinho todas as noites… sentir tanto amor… e planejar cada coisinha dele nos mínimos detalhes!

E então, no ultra de 16 semanas, minha ginecologista detectou que eu estava com baixo líquido… e considerando que eu estava num momento de stress e com uma gripe que não passava, tirei 15 dias pra continuar me tratando e me hidratando…

Infelizmente, voltei após os 15 dias e meu líquido ainda estava baixo… foi então que ela me encaminhou para um especialista em medicina fetal…

Ficamos confusos e assustados e, no fundo do meu coração, eu sentia que alguma coisa estava errada, mas fiquei me fazendo acreditar que estava tudo bem, que ia correr tudo bem…

Na consulta, o especialista foi fazendo o ultrassom e vendo todos os detalhes (naquele momento eu sabia, por ter lido algumas coisas, que poderia ser uma deficiência, mas não imaginava o que teria pela frente…), e então ele chegou aos rins e escreveu “RIN E ? / RIN D ?” e eu: “Dr., o sr. não está vendo os rins, é isso?”. E ele pediu pra esperarmos o final do exame que ele falaria conosco.
Resultado: nosso Lucca tinha Agenesia Renal Bilateral, ou seja, não tinha os 2 rins!

Sinceramente, não sei descrever exatamente o que eu senti, nem meu marido mas, naquele momento, o que eu queria saber era o que podia ser feito, o que aquilo queria dizer e tudo mais… e a conclusão é que nosso pequeno não tinha expectativa de vida…

Muitas coisas aconteceram depois disso (foram quase dois meses), a dor foi muito grande, meu líquido praticamente secou (na verdade, o líquido é produzido pelos rins do bebê) e ele se foi… Então, fiquei três dias internada na Maternidade e em trabalho de parto, já que a cesárea seria invasiva demais e poderia prejudicar minhas futuras gestações… Foi MUITO dolorido, emocional e fisicamente, dolorido de uma forma que não consigo expressar aqui, nem acreditar que passei, mas foi assim que aconteceu…

Crédito da foto: Graziela Scudeler

Crédito da foto: Graziela Scudeler

Em todos os momentos, meu marido esteve comigo… ele segurou a minha mão durante as dores e nós vimos nosso Lucca depois de “nascer”… porque o amamos muito e ele sempre vai ser nosso primeiro filho… não me arrependo de tê-lo visto e agradeço demais a Deus e à Nossa Senhora Desatadora dos Nós por toda a força que tivemos (inclusive, antes que ele se fosse, foi batizado na minha barriga, no Santuário da Desatadora), e o apoio da nossa família e amigos mais próximos!

O “depois” não foi tão simples, foi muitas vezes dolorido, especialmente após meu retorno ao trabalho, em que a realidade estava ali, nua e crua, mas o apoio emocional que tive do meu marido, da nossa família e dos nossos amigos foi excepcional!

Então, passados seis meses do parto, voltamos às tentativas… e essa foi outra coragem, porque até fizemos o cariótipo do Lucca mas, para afastar qualquer problema genético, outros exames fora do Brasil teriam que ser feitos e soubemos disso quando não era mais possível… Ouvimos do geneticista que, apenas na próxima gestação saberíamos se era uma síndrome ou não, e mais uma vez nos unimos e acreditamos que tudo ia ficar bem!

Foram cinco meses de tentativa e então engravidei novamente!

Confesso que a primeira sensação que eu e meu marido tivemos – depois da alegria – foi medo de acontecer de novo… E a cada ultrassom também havia o receio de descobrirmos algo ruim… mas permanecemos com muita fé e coragem!

Nessa segunda gestação, eu não quis fazer a sexagem fetal, para que nada fosse antecipado e tudo corresse da forma mais natural possível, vivendo a gestação dia a dia, com tranquilidade, sem ansiedade, curtindo cada momento…

Quando entrei no consultório do mesmo especialista que detectou o problema do Lucca para fazer a translucência nucal, enquanto a maioria das mães está preocupada com o sexo, eu só queria ver os rins!

E lá estavam eles… e saber disso me deu a sensação que ali descobri novamente que estava grávida!!!

E, naquele dia, descobrimos que era uma MENINA, que inclusive já tinha nome: GIOVANA = PRESENTE DE DEUS!

A partir de então, ficamos mais tranquilos, mas não posso negar que sempre tínhamos um frio na barriga durante as consultas e os ultrassons… Acreditem: é inevitável sentir!

Mas a gestação da Giovana foi MUITO tranquila, com nossas orações todas as noites, sempre conversando com ela e pedindo as bênçãos de Deus e de Nossa Senhora…

Lu Contin de Mello - Sou mae amiga

No dia do nascimento dela, com 38 semanas e 4 dias, meu tampão rompeu durante a madrugada… e eu estava tão tranquila que passei a madrugada ajeitando tudo e, às 7 da manhã, comecei a contagem das contrações com meu marido… quando percebi que estavam regulares, liguei para minha ginecologista e ela pediu que eu fosse ao consultório! Ainda tomei um banho e a cada contração parava tudo e respirava! rs

Infelizmente eu não consegui o parto normal… no momento em que percebi que ficaria muito tempo em trabalho de parto, aquilo me remeteu ao que eu tinha vivido antes, e então optei pela cesárea porque não queria misturar as duas histórias… no caso do Lucca, eu havia parido meu filhinho sem vida, e no caso da Giovana a história seria diferente! Não quis que nenhuma tristeza pairasse sobre mim naquele momento… E o momento em que ela nasceu com toda certeza foi ÚNICO na minha vida!

Hoje, a Giovana tem 4 meses e é uma filha maravilhosa, uma criança especial! É difícil explicar o quanto nossa ligação é forte (minha, dela e do pai, que está presente todos os dias, inclusive dando os banhos, que ela adora tanto). Ela me dá mais e mais alegria de viver a cada dia e enche meu coração de amor!

O Lucca nos ensinou muito – assim como à nossa família e a nossos amigos, que inclusive dizem que passamos a ser exemplo – e a Giovana ainda nos vai ensinar além, tenho certeza disso!

Um sonho realizado… e vivido com MUITO AMOR a cada dia!

Lu Contin de Mello

E a nossa música não podia ser outra, porque, com toda certeza, O AMOR NASCEU DENTRO DE MIM:

O Que É o Amor? (Arlindo Cruz)

Se perguntar o que é o amor pra mim

Não sei responder

Não sei explicar

Mas sei que o amor nasceu dentro de mim

Me fez renascer

Me fez despertar

 

Me disseram uma vez

Que o danado do amor

Pode ser fatal

Dor sem ter remédio pra curar

Me disseram também

Que o amor faz bem

E que vence o mal

E até hoje ninguém conseguiu definir

O que é o amor

 

Quando a gente ama, brilha mais que o sol

É muita luz

É emoção

O amor

Quando a gente ama, é um clarão do luar

Que vem abençoar

O nosso amor

 

Você pode gostar de ler: Mãe de gêmeos… múltipla emoção e Querer é PODER! Parto normal, sim!

@ Mães Amigas

Escrito por: @ Mães Amigas

Confira os 1818 posts publicados pela @ Mães Amigas

Veja Tambm