UNIVERSO POLYANA: Meu pai, eterno heroi

11.08.2013 – Pai para mim hoje é sinônimo de gratidão. É sentir saudades de todos os momentos maravilhosos que vivemos juntos… e olha que foram muuuuitos momentos. Meu pai era aquela pessoa que se desdobrava para atender a todas as necessidades das filhas. Desde que eu me conheci por gente, ele estava ao meu lado, me apoiando em todas as minhas escolhas.

Eu lembro que, aos meus 11 anos, chorei as pitangas para ele, implorando para não mudarmos de São Paulo para Campinas. E ele dizia “Mas, minha filha, mudanças são positivas. Você vai ver. Fará muitos novos amigos e também gostará de morar em Campinas!” – eu achava o fim do mundo. E hoje eu percebo o quanto ele estava certo!

No segundo colegial, eu quase repeti de ano. Precisava de notas altíssimas em quatro matérias. Era “onda” todos irem para o Ateneu ou Objetivo para passar de ano. Eu eu, seguindo o barco, fui dizer a ele que também queria, pois, caso contrário, repetiria de ano. Eu nunca o vi tão bravo e tão decepcionado com minha atitude. Me fez estudar como nunca e disse que meus atos eram consequência das minhas escolhas. O momento era de abrir mão e estudar! Foram dias enclausurada nos livros, nas aulas de reforço e nas madrugadas com ele ao meu lado. E eu consegui!

No ápice da minha adolescência, nas épocas de bailinhos e danceterias, era ele o escalado para buscar a mim e minhas amigas nas noitadas. Não porque eu pedia, mas porque ele se candidatava. Hoje, como mãe, eu percebo o sacrifício que ele fazia por mim, e relembro das inúmeras vezes que ele me buscou às 2:00 ou às 4:00 da manhã nos lugares que eu implorava para ir. E como negociávamos os horários… rs… e ai de mim se atrasasse! Ele dizia “Poly é às 2:00, e não às 2:10”. E, pontualmente, 1:59 ele já estava lá na frente, me esperando pacientemente.

Um dia, eu briguei com um namorado. Mas eu estava tão triste, tão triste, que tudo o que mais queria era ir embora do lugar que eu estava. Pela primeira vez na vida, eu liguei para o meu pai em primeiro lugar! Antes de qualquer amiga, antes de qualquer pessoa. E, ele prontamente, foi me socorrer. Nem eu sei porque liguei para meu pai, e muito menos o que conversamos. Mas eu me lembro da sua felicidade ao perceber que foi a ele que eu pedi socorro em um momento de angústia. Como ele ficou feliz. Ele sempre me lembrava desse momento e me dizia claramente o quanto ele ficara realizado. E enquanto eu escrevo, lágrimas escorrem no meu rosto, de lembrar do seu sorriso!

Um belo dia, eu disse que iria morar sozinha. Eu estava pronta para encarar o mundo. E, na tentativa de me dar apoio, ele aceitou. O que ele sentiu de verdade eu não sei. Preciso lembrar de perguntar para minha mãe. Tempos depois, juntei as escovas de dente com meu atual marido. Ele ficou um pouco preocupado. Acho que era muita novidade ao mesmo tempo. Mas lembro que uma vez ele veio me visitar, sozinho. Ele sentou ao meu lado, no sofá, e quis saber da minha vida. Eu não lembro do que conversamos, mas lembro dele desabafar comigo “Nossa, sua mãe deve estar chateada comigo mesmo. Até agora ela não me ligou!” rs. E me convidou para jantar na próxima semana.

Esse jantar foi praticamente um dos meus últimos momentos a sós com ele. Foi uma conversa de gente grande. Ele levou um caderninho cheio de anotações, e a todo momento, ele consultava todas as coisas que queria compartilhar comigo. Me fez mil perguntas que nem eu lembro quais eram. Mas lembro dele indagar o motivo de eu ir ao centro espírita e que não era para eu ficar “muito espírita” como minha avó. rs. Eu dei risada. Disse que apenas me fazia bem!

Meu pai estava sempre se envolvendo com tudo. Ele queria que o mundo ficasse em paz. Ele era muito honesto e correto. Há alguns meses, eu e minha irmã, a Michelle, tínhamos uma relação muito distante. Nossos maridos não se davam bem e haviam muitos ressentimentos por trás dessa relação e, com isso, praticamente não convivíamos muito. Ele me implorava para ficarmos bem. Mas eu dizia que não era a hora e que um dia tudo voltaria ao normal! Mas ele não conseguiu ver isso em vida…

Na última semana, ele me ligou. Eu estava almoçando e ele percebeu. Ele sugeriu que ligasse mais tarde mas eu não quis. Eu disse “Pai, pode falar.” E ele “Filha, você sabe que nem eu sei porque te liguei?!”. E eu, em um gesto de descontrair, respondi “eu sei Pai, você me ligou só para dizer que me ama!”. E ele riu e respondeu “Era isso mesmo, minha filha. Eu te amo muito”.

Um dia antes, eu fui visitar meus pais. Meu pai não estava. E, enquanto eu tomava café com minha mãe, ele ligou. Pediu para falar comigo, e o que me recordo foi “Filha, estou em reunião ainda e devo demorar um pouco. Mas que bom que você está aí, curta a sua mãe.” E eu concordei. Disse que nos veríamos no feriado. Mas esse dia nunca mais chegou.

Eu não quero falar sobre seu acidente. Mas eu prometo que um dia, quando eu estiver preparada para escrever, contarei tudo o que senti. Hoje, eu apenas queria dizer, quer queira onde ele esteja, que eu o amo muito! Mas é um amor que não cabe no meu peito. Meu pai viveu 51 anos. E, durante todos esses anos, eu tive a bênção de aprender tudo o que existe de mais maravilhoso nessa vida. Em um domingo como esse, provavelmente eu e minhas irmãs estaríamos programando um café da manhã especial, como costumávamos fazer todos os anos, incansavelmente igual. rs. Combinávamos com minha mãe de não deixá-lo levantar até nosso sinal. Acordávamos às 6h e preparávamos um belo de um café, lotado de bilhetes pela casa. rs.

Hoje, eu repasso a tradição para meus filhos. Dia dos Pais é dia de agradecer aos homens que são presentes na vida de um filho. É dia de agradecer ao meu marido pelo pai maravilhoso que ele é, desde quando o conheci, e ele já era pai da Nicole, com então apenas 3 anos de idade. É dia de demonstrar a nossa eterna gratidão, mesmo que, durante os 365 dias do ano, existam dias de desacordos, difíceis e divergentes. A verdade é que ninguém é perfeito. Mas o que importa é estar presente! É dar oportunidade de viver a relação de pai e filho, porque lá na frente, esse carinho fará toda a diferença.

Um feliz Dia dos Pais a todos os pais, em especial ao meu marido, que é o segundo melhor pai do mundo, pois o primeiro sempre será o meu! (rsrs) Um domingo cheio de lembranças gostosas. Aproveitem!

Meu pai, meu eterno heroi

Encontrei este email do meu pai, o qual compartilho com vocês….

—– Original Message —–

From: “Marco Pinheiro”
Sent: Friday, June 15, 2007 4:45 PM
Subject: Re: O que seríamos de nós sem os irmãos

Minha querida família,

Estou muuuuiiiiiiittttttttooooooooo orgulhoso do que disseram umas para às outras assim como certeza tenho que também estão, seja lá onde estiverem, meu amigo querido pai e vô de vcs – Sergio e Carlone. O mundo precisa de pessoas como vcs e agora que o bem esta feito não tem mais volta; será deliciosamente contaminado por tudo que fizerem e tocarem. Novas famílias estão e estarão sendo construídas e multiplicadas por vcs junto com as escolhas que fizeram e estarão fazendo isto com força e muita luz. Vcs são pessoas de muita luz, do justo e do bem e vão longe na chuva ou no sol porque na mochila que carregam existe o suficiente. Mais sucesso menos sucesso é a vida; oras mais alto oras mais baixo é assim mesmo; mas juntas é especial, muito especial!!!!

beijos orgulhosos….Do pai

ps: vcs já responderam portanto nem se atrevam…

 

Você pode gostar de ler: Dia dos Pais… Pais Amigos??

Polyana Pinheiro

Escrito por: Polyana Pinheiro

Confira os 135 posts publicados pela Polyana Pinheiro

Veja Também