Meu filho é um birrento!

04.09.2012 – Praticamente todas as crianças entre um e três anos tiveram ou terão, em algum momento, acessos de raiva. 
Esses momentos tão desagradáveis devem-se, a maioria das vezes, ao fato de que a criança tem uma compreensão incompleta da realidade externa, e entende como uma decepção os limites normais que a realidade impõe.
Meu filho é um birrento!Uma birra de vez em quando não é algo que deva alarmar os pais, mas se elas acontecem com freqüência podem ser um sintoma que está sinalizando algo, pode ser que a criança esteja cansada ou estressada. Os pais podem se perguntar: 
  • Se durante o dia estão dispondo de um tempo suficiente para ficar com ela. 
  • Se o ambiente familiar é razoavelmente harmônico. 
  • Se a criança tem oportunidade de brincar ao ar livre, num lugar onde os adultos não tenham que estar permanentemente chamando-lhe a atenção. 
  • Se ela tem à sua disposição suficientes objetos para arrastar e empurrar e brinquedos para se entreter.
A criança não é um adulto em miniatura, nessa idade (entre 1 e 3 anos) começa a ter mais consciência de si, é um momento de autoafirmação, mas ainda não sabe controlar seus impulsos. 
Às vezes sente coisas que não compreende muito bem e não consegue expressar com palavras, então chora ou esperneia e são os pais, atentos e dispostos a entender e dar voz aos sentimentos da criança, que poderão dar a continência adequada nos momentos em que ela não tiver condições de acalmar-se sozinha.
Evidentemente, não é possível evitar todas as birras. Nem sempre os pais se sentem com toda a paciência e tato necessários para encarar as birras dos filhos. 
“a própria impaciência e angústia dos pais re-alimenta a angustia da criança”
Quando a criança tiver uma crise de raiva, primeiro é importante tentar entender o que ela está sentindo e tentar ajuda-la a se acalmar. Para isso é necessário que os pais possam acalmar a si mesmos, porque a própria impaciência e angústia dos pais re-alimenta a angustia da criança. 

Não discutam com a criança, pois ela não está em condições de reconhecer seus erros. Tentem ficar do lado dela e falar calmamente, dando-lhe a oportunidade de mudar de ideia ou propondo-lhe fazer alguma outra coisa que seja possível, quando tenha passado o momento de raiva. A firmeza e amabilidade dos pais vão ajudar a criança a encontrar os limites de realidade, aceitar que nem tudo é possível, na hora que ela quer e do jeito que ela quer.

Birra em Lugar Público
É muito difícil para os pais ver a criança espernear e gritar num lugar público (por exemplo: no shopping), se isso ocorrer, peguem a criança no colo, levem-na para algum lugar onde possam estar a sós com ela (por exemplo, o carro) falem calmamente ou esperem em silêncio até ela se acalmar. Ela vai entender que aí acabou o passeio, mas vai sentir que vocês estão com ela, que a amam e que estão lhe mostrando que a realidade tem limites e que vocês podem ajuda-la a encontrá-los. 

Quando os limites são colocados com amor, não com raiva e impaciência, a criança pode entende-los e aceitá-los mais facilmente. 

Pensem que a criança é muito sensível aos estados emocionais e à dinâmica entre os pais e a família. É muito importante que, no trato com a criança, os pais sejam coerentes, que não se contradigam. Se às vezes dizem que não e outras vezes dizem que sim, se um dos pais proíbe e o outro permite, cria estados de confusão na criança e os pais se tornam pouco confiáveis.
“É muito importante que, no trato com a criança, os pais sejam coerentes
Não se espera que sejam pais perfeitos. Os seres humanos cometem muito erros. O importante é poder pensar sobre seus atos e sentimentos, tentar escutar e entender o que a criança está sentindo, aos poucos, entre tentativas, erros e acertos, pais e filhos váo encontrando o caminho. 
 

placa-colunista-conversando-com-familia-s-contato

@ Mães Amigas

Escrito por: @ Mães Amigas

Confira os 1828 posts publicados pela @ Mães Amigas

Veja Tambm