Lavagem nasal pode causar afogamento

16.07.2019 – Recentemente uma mãe compartilhou que seu filho de 1 ano e 10 meses afogou, pois o soro na seringa, entrou pela narina e não saiu pela outra ou pela boca. 

Nathália Marangoni compartilhou o seu desespero:

“Quase matei meu filho ontem. Fiz tudo exatamente como me ensinaram, mas algo deu errado!!! O soro não saiu pela narina, e também não saiu pela boca, o soro desceu e ele afogou! Ele perdeu o ar e não voltava a respirar”.

 

Ela não sabia o que fazer, levantou, sacudiu o filho, o marido dela quem conseguiu sugar o soro com o aspirador nasal de silicone e a criança voltou a respirar normalmente.

No dia seguinte, seu filho começou a ter febre alta que chegou a 41 graus, a família voltou ao hospital e disseram que era inflamação na garganta, a criança foi medicada com benzetacil.

“Depois de 5 dias meu filho voltou a ter febres e não dormiu direito a noite. Levei em um especialista e ele está com adenoide inflamada em 70%, ou seja, o ar não passa. O médico não afirmou com clareza se foi ou não a técnica do soro. Sigo então com corticoide, antibiótico e um bebê que tinha um sono tranquilo e agora está totalmente inquieto, nervoso e que não se alimenta bem.”

 

Conversamos com o pneumologista e alergologista pediátrico, Prof. Dr. Alfonso Eduardo Alvarez (PhD), que nos informou que caso a lavagem nasal não seja feita de forma tranquila e adequada, pode sim causar engasgos ou afogamento na criança. “A limpeza deve ser feita com soro fisiológico, que irá atuar fluidificando e removendo as secreções das vias aéreas superiores. A limpeza nasal é extremamente importante por várias razões:

1- A obstrução nasal deixa a criança extremamente irritada, e ela não consegue se alimentar bem, pois tem dificuldade de comer e respirar pela boca ao mesmo tempo.

2- Com o nariz obstruído a criança tem muita dificuldade para dormir.

3- A secreção acumulada nas vias aéreas superiores pode ser colonizada por bactérias, levando à necessidade de antibióticos.

4- A secreção pode ir para os ouvidos causando otite e para os seios da face causando sinusite.

Fazendo-se o procedimento da forma adequada a criança não irá engasgar. É importante também aguardar pelo menos 1 minuto antes de repetir a aplicação”.

 

Como fazer?

A lavagem nasal é feita com soro fisiológico ou cloreto de sódio a 0,9%, não tem contraindicações ou limites de idade, mas deve ser realizado com muita atenção para que tenha realmente efetividade para a criança.

Até 2 anos

Segundo o médico, “a melhor forma de se realizar a limpeza nasal em bebês até 2 anos é com a criança deitada, inclinando a cabeça levemente para trás e aplica-se 1 a 2 mls de soro fisiológico (ou meio conta-gotas) em cada narina, uma narina por vez. A função do soro fisiológico é levar a secreção para a faringe, depois será engolida, ou seja, realmente remove-se a secreção das vias aéreas superiores”.

Acima de 2 anos

“Para crianças maiores de 2 anos o ideal é utilizar os dispositivos de jato contínuo. A criança deve estar no colo da mãe ou sentada, com a cabeça inclinada para trás. Aplica-se durante 1 a 2 segundos e limpa-se o excesso que irá sair pela própria narina (pois a criança está em pé), sendo que uma parte da secreção também será engolida”.

Por isso, para realizar esse procedimento no seu filho primeiramente você precisa estar confortável para fazê-lo, começando com pequenos volumes de soro em uma seringa.

A temperatura do soro deve estar ambiente ou morno, nunca gelado. “É importante que o procedimento seja feito com tranquilidade e carinho, passando-se segurança para a criança. Para crianças maiores é fundamental explicar a importância da limpeza nasal”, orienta o especialista.

Recomendada para todas as idades

A lavagem nasal é um procedimento conhecido há mais de 5 mil anos na medicina tradicional indiana. E estudos relatam que ela tem efeitos positivos tanto na função respiratória, quando no bem-estar físico e mental de uma pessoa.

Se você tem medo de fazer, pergunte ao pediatra como fazer e peça uma demonstração diretamente no seu filho. De forma alguma faça a força, pois pode além de machucar a criança ainda criar um trauma.

Com o tempo seco, muitos bebês e crianças tem dificuldades na respiração, principalmente durante o outono e inverno. A higienização correta é a melhor forma de ajudar os pequenos, facilitando a drenagem de secreções, e ainda eliminar partículas com agentes infecciosos.

Alessandra Assumpção

Escrito por: Alessandra Assumpção

Confira os 16 posts publicados pela Alessandra Assumpção

Veja Também