Ginecologista: 6 motivos para marcar uma consulta

30.10.2019 – Hoje, dia 30 de outubro, √© comemorado o Dia Nacional do Ginecologista e Obstetra. A data foi criada em 1959 e sabemos que a ginecologia √© uma das poucas especialidades m√©dicas em que a paciente n√£o precisa estar doente para agendar uma consulta, pois os exames ginecol√≥gicos devem ser realizados rotineiramente, com objetivo de preservar a sa√ļde da mulher.

Voc√™ sabia que 4 milh√Ķes de brasileiras nunca foram ao ginecologista? Esse √© um dado do levantamento feito pelo Datafolha, a pedido da FEBRASGO. Outras 6,5 milh√Ķes de brasileiras, 8% do total, n√£o costumam ir ao ginecologista. A pesquisa, realizada em dezembro de 2018, √© alarmante quando nos deparamos com o aumento de doen√ßas, principalmente o c√Ęncer de mama. Segundo o Instituto Nacional de C√Ęncer (Inca), 2018 encerrou com cerca de 59.700 novos casos de c√Ęncer de mama no Brasil. O mesmo n√ļmero √© esperado para 2019. A incid√™ncia cresce progressivamente, especialmente ap√≥s os 50 anos.

Falamos com especialistas nessa área para que elas pudessem selecionar alguns motivos para procurar o ginecologista como forma de prevenção e tratamento.

Mulher se consultando com ginecologista

Para a Dra Ana Paula Maranhão Negreiros Fiorini, formada em Medicina pela faculdade de Medicina  de Botucatu РUNESP, onde também fez residência em ginecologia e obstetrícia, trabalhando atualmente no Instituto Pro Mulher, dois 2 motivos são fundamentais:

1- Pré-concepção

Toda gesta√ß√£o deveria ser planejada. Orientamos uma consulta com o ginecologista aproximadamente 3 meses antes da interrup√ß√£o do m√©todo contraceptivo para coleta de papanicolaou,¬† exames bioqu√≠micos, sorologias e exames de imagem; e tamb√©m controle de doen√ßas pre existentes e adequa√ß√£o das medica√ß√Ķes caso a paciente tenha alguma patologia clinica como diabetes, hipertens√£o, depress√£o etc. A paciente tamb√©m vai ser orientada a usar o √°cido f√≥lico, que √© uma vitamina que previne defeitos no fechamento do tubo neural do beb√™.

2- Planejamento familiar

Uma gesta√ß√£o n√£o planejada/desejada pode ser evitada.¬† Hoje existem diversas op√ß√Ķes dispon√≠veis: camisinha, anticoncepcional oral, injet√°vel, anel vaginal, adesivo, diu de cobre, mirena, laqueadura e vasectomia. Juntos podemos escolher a melhor op√ß√£o respeitando o desejo da mulher e as indica√ß√Ķes e contra indica√ß√Ķes de cada m√©todo.

A Dra. Patr√≠cia Varanda p√≥s-graduada em Ginecologia End√≥crina e Reprodu√ß√£o Humana, Terapia Sexual, especializada em ginecologia obstetr√≠cia (TEGO) e qualificada em Doen√ßas Sexualmente Transmiss√≠veis pela SBDST explica mais dois motivos no qual a mulher deve ir ao ginecologista como forma de preven√ß√£o no cuidado de sua sa√ļde.

3- Sa√ļde Sexual

Segundo a OMS, a sa√ļde sexual √© um dos 4 pilares de qualidade de vida, a saber: fam√≠lia, trabalho, lazer e sexo. Em outras palavras, para sermos felizes precisamos ter uma boa conviv√™ncia em fam√≠lia, trabalhar no que gostamos, usufruir de momentos de lazer e praticar sexo com satisfa√ß√£o. Quando nosso desempenho sexual est√° comprometido, nossa satisfa√ß√£o com a vida se abala e nossa qualidade de vida √© prejudicada.

Apesar de ser natural, fonte de prazer, forma de express√£o de sentimentos e meio de procria√ß√£o da esp√©cie, o sexo ainda permanece cercado de preconceitos, mitos e tabus, os quais podem aumentar a vulnerabilidade do indiv√≠duo a doen√ßas sexualmente transmiss√≠veis (DSTs) e/ou levar ao aparecimento de disfun√ß√Ķes sexuais como falta de desejo, dificuldade de excita√ß√£o, aus√™ncia de orgasmo, ejacula√ß√£o precoce e perda de ere√ß√£o. O ginecologista tem um papel fundamental de identificar e reduzir riscos, tratar DSTs e acolher v√≠timas de viol√™ncia sexual , ajudar a corrigir as disfun√ß√Ķes e recuperar a satisfa√ß√£o sexual.

4- Planejamento familiar

Desde que a Declara√ß√£o dos Direitos Sexuais e Reprodutivos foi assinada, decretou-se que homens e mulheres decidem quando, com quem e como ter filhos e quantos filhos querem ter. Pol√≠ticas p√ļblicas de sa√ļde foram criadas para facilitar e garantir o acesso aos m√©todos contraceptivos. Procurar um ginecologista para receber orienta√ß√£o em planejamento familiar √© um direito de todos.

A Dra. Isabela Nelly Machado especialista em Gesta√ß√£o de Alto Risco e Medicina Fetal (Medicina Materno-Fetal) explica sobre a import√Ęncia a mulher pensar previamente sobre uma gravidez e como ela quer cuidar do seu corpo para se desenvolver nesse processo.

5- Ciclo gravídico-puerperal

Um casal desejoso de engravidar deve incluir no seu planejamento uma avalia√ß√£o com o m√©dico ginecologista. Ao realizar essa AVALIA√á√ÉO PR√Č CONCEPCIONAL, o ginecologista √© capaz de identificar fatores de risco que poderiam “atrapalhar” uma boa evolu√ß√£o da gravidez e atuar de forma a controlar ou afastar esses riscos de maneira oportuna e eficaz, incluindo tamb√©m poss√≠veis fatores presentes no parceiro. Como exemplo, podemos afirmar que as doen√ßas pr√©-existentes (hipertens√£o arterial, asma, diabetes, etc) precisam estar com controle adequado e algumas medica√ß√Ķes precisam ser trocadas, antes de iniciar as tentativas de engravidar.

6- Pré-natal

O casal deve manter todo o seguimento da gesta√ß√£o sob os cuidados atentos do ginecologista-obstetra, que √© o profissional indicado para acompanhar a gesta√ß√£o, parto e puerp√©rio (p√≥s parto). Esse seguimento “pr√© natal” inclui consultas frequentes e vigil√Ęncia laboratorial, baseado numa aten√ß√£o individualizada, cuja classifica√ß√£o de risco √© cont√≠nua e dinamicamente reavaliada. Essa vigil√Ęncia busca o planejamento de a√ß√Ķes oportunas (orienta√ß√Ķes, tratamentos, procedimentos, etc), sempre almejando um resultado de sucesso: M√ÉE E REC√ČM-NASCIDO SAUD√ĀVEIS.

Al√©m dos fatores citados acima, as mulheres devem saber a import√Ęncia da realiza√ß√£o e periodicidade de avalia√ß√£o e exames ginecol√≥gicos que auxiliam na preven√ß√£o de doen√ßas e aumentam o cuidado com a sa√ļde feminina.

Nossos parab√©ns neste dia para todos os profissionais desta √°rea, em especial para essas tr√™s m√©dicas que nos auxiliaram na realiza√ß√£o deste artigo sobre a import√Ęncia de cuidarmos da sa√ļde da mulher, um direito declarada de todas n√≥s.

 

Texto escrito em parceria com Dra. Ana Paula Maranhão Negreiros Fiorini, Dra. Patrícia Varanda, Dra. Isabela Nelly Machado.

Revisado por Madame Conte√ļdo.

 

Confira também:

Outubro Rosa: informação é nossa aliada

Alessandra Assumpção

Escrito por: Alessandra Assumpção

Confira os 60 posts publicados pela Alessandra Assumpção

Veja Tambťm
ÔĽŅ