Ela ficou 40 minutos nessa situação

23.07.2018 – Há alguns dias, eu navegava pelo Instagram quando me deparei com uma publicação que me deixou pensativa. A fotografia mostrava uma mulher cadeirante presa dentro de uma farmácia – situação que durou cerca de quarenta minutos, pois um carro travou a passagem dela.

Provavelmente, o(a) motorista não tomou essa atitude por mal. Na lógica daquela pessoa, qualquer um conseguiria passar pelo espaço que ela deixou. Só que o(a) condutor(a) se esqueceu que alguns de nós usam duas rodas para se locomover.

Não vou aqui fuzilá-lo(a) e muito menos menosprezá-lo(a) pela conduta. Eu apenas fiquei me perguntando se esse(a) motorista tem filhos. O motivo da minha preocupação é simples: se ele(a) não se deu conta de sua atitude ou se optou pelo egoísmo, como ensinará o seu filho a agir diferente?

Portanto, eu estou com um problema. Como o filho dele irá se relacionar com o meu no futuro? Será que um dia o cadeirante será o meu filho (afinal, nenhum de nós está livre disso) e o filho dele(a), o futuro motorista?

Sim, a reflexão é um tanto agressiva, mas necessária. Nós, pais, somos o exemplo das atitudes dos nossos pequenos. Se estacionarmos em vagas para pessoas com deficiência, idosos, gestantes ou qualquer outro espaço destinado às pessoas com mobilidade diferente das nossas, por que nossos filhos farão diferente no futuro?

 

“Mi, mas é rapidinho!”. Sim, eu sei. Também penso isso e também penso que “ninguém vai precisar enquanto eu estou com o meu carro ali”. Mas eu não paro. Não consigo! Não é uma opção para mim! Então por que é uma opção para você?

Eu não estou aqui te julgando, caso você estacione em vagas reservadas. Provavelmente, você faz isso porque, um dia, a sua mãe ou o seu pai fez. Ou então porque isso nunca foi questionado dentro do seu círculo de amigos e familiares. Eu te entendo!

O meu intuito, nesse texto, é apenas trazer uma provocação para que você mude. Para que, a partir de agora, nesse novo dia, você aceite que é responsável pelo futuro da educação do nosso país. Vamos juntos ensinar aos nossos filhos que o mundo não gira em torno do nosso umbigo. Que somos uma rede conectada e que dependemos uns dos outros o tempo todo. Mostre ao seu filho que funcionamos melhor quando estamos vivendo em harmonia, respeito e compaixão.

Se você leu até aqui (gratidão!) e concorda comigo, mesmo já tendo estacionado o seu carro em vaga reservada alguma vez, comece a mudança agora. Não se justifique! Não se condene! Simplesmente mude. Se puder, compartilhe esse texto no seu feed. Marque aquele amigo que também levanta essa bandeira e diga a ele o quanto você o admira pela sua atitude. Se quiser marcar aquele amigo que sempre estaciona, não o critique. Apenas marque e diga “vamos juntos mudar o futuro da educação do nosso país. Eu estou com você!”

Chega de desculpas!

Ela ficou 40 minutos nessa situação

 

 

Você também pode se interessar:

Eu sofri abuso sexual infantil

Dias ruins? A solução está no seu bolso!

Pais separados – Entre lagartas e borboletas

Michelle Occiuzzi

Escrito por: Michelle Occiuzzi

Confira os 70 posts publicados pela Michelle Occiuzzi

Veja Tambm