Antibióticos: uso racional

18.09.2019 – Recentemente falamos nas nossas redes sociais sobre antibióticos, a compra desses medicamentos na farmácia e a não possibilidade de troca em caso de reação alérgica.

Pesquisamos mais sobre este assunto e a Profa. Dra. Michelle Pedroza Jorge, farmacêutica junto com suas alunas do curso de Farmácia do Centro Universitário de Jaguariúna, Maria Carolina Bertolo Bonin (4º. Semestre) e Franciele Amanda Sobreiro Evangelista (10º. Semestre) esclareceram algumas dúvidas neste sentido.

Quais os riscos que os antibióticos podem causar a saúde do usuário?

Como todo medicamento, os antibióticos apresentam efeitos adversos previsíveis e imprevisíveis que podem ocorrer por efeito da droga ou por reações individuais imunológicas. Conforme descrito na bula de cada medicamento estão dentre seus efeitos indesejáveis mais comuns: fezes moles, diarreia e náuseas; já as reações individuais alérgicas podem ser caracterizadas por: desmaios, falta de ar, urticária, inchaço ou erupções cutâneas na face, lábios e língua. Que acarretaram muitas vezes na suspensão do tratamento mediante acompanhamento médico, que deve ser analisado com cautela para que seja feito o melhor tratamento sem prejudicar o paciente.

Por que o uso de antibióticos só deve ser feito sob prescrição médica?

Segundo a RDC N° 20 de 5 de maio de 2011, os antimicrobianos devem ser dispensados somente sob prescrição médica e com retenção da receita. Na farmácia, seja ela pública ou privada é de responsabilidade do farmacêutico a dispensação, e orientação quanto a posologia correta do medicamento, que deve ser administrado nos horários corretos durante o período estipulado, para que não haja resistência microbiana. A resistência bacteriana é uma preocupação mundial que envolve discussões pela Organização Mundial de Saúde, pois o uso indiscriminado dos antibióticos leva a resistência bacteriana, que afeta a população mundial como um todo e podemos chegar a situações alarmantes sem medicamentos eficazes e seguros. Por isso é de extrema importância a prescrição correta desse tipo de medicamento, uma vez que deve se ser utilizado em casos confirmados de infecção por microrganismos.

O que deve conter na receita?

A receita medica deve ser feita em duas guias, com letra legível, identificando o paciente por nome completo, idade e sexo. Deve conter o nome do medicamento ou substância prescrita sob a forma de Denominação Comum Brasileira (DCB), dose ou concentração, forma farmacêutica, posologia e quantidade (em algarismos arábicos), assim como a identificação do emitente: nome do profissional com sua inscrição no Conselho Regional ou nome da instituição, endereço completo, telefone, assinatura e marcação gráfica (carimbo); e por fim data da emissão.

Qual a validade de uma receita de antibióticos?

A receita tem validade de 10 dias em todo território nacional. Salvo que para uso continuo as receitas tem validade por 90 dias e o medicamento pode ser adquirido mensalmente (30 dias), unicamente por esse feito pode ser utilizada uma única receita para três compras.

Posso comprar caixas separadas? Se sim, o que devo fazer?

E dispensada a quantidade exata ou superior mais próxima do essencial para conclusão do tratamento, podendo ser realizado o fracionamento determinado pela RDC N°8/2006 referente ao fracionamento de medicamentos.

Posso vender o antibiótico para outra pessoa?

Não, pois a venda de antibióticos deve ser feita somente em farmácias e dispensado pelo farmacêutico, sob prescrição e retenção de receita médica, controlado pela Anvisa.

“A RDC 44/2010 regulou que os estabelecimentos que comercializam o produto devem “manter à disposição das autoridades sanitárias a documentação fiscal referente à compra, venda, transferência ou devolução das substâncias antimicrobianas bem como dos medicamentos que as contenham”. A resolução diz ainda que “toda documentação relativa à movimentação de entradas, saídas ou perdas de antimicrobianos deverá permanecer arquivada no estabelecimento e à disposição das autoridades sanitárias” por no mínimo cinco anos.”

Extraído de: Por que o mau uso dos antibióticos é uma ameaça para a saúde de toda a população. https://gauchazh.clicrbs.com.br/saude/vida/noticia/2016/07/por-que-o-mau-uso-dos-antibioticos-e-uma-ameaca-para-a-saude-de-toda-a-populacao-6976574.html Acesso em: 9 setembro 2019.

Por que a farmácia e laboratório não recebem devolução de antibióticos?

Pois após a venda do medicamento a farmácia não pode se responsabilizar pela qualidade do medicamento, uma vez que pode não ter sido armazenado corretamente e assim ter seus efeitos alterados. A RDC nº 20/2011, assim como a lei 8.078/90, Artigo 18, do Código do Consumidor, permite a devolução ou troca de antimicrobianos somente por motivos de desvios de qualidade do medicamento, condição esta que impeça o tratamento completo pelo paciente

O que fazer com um medicamento no qual não consegui usar?

Esses medicamentos não podem ser devolvidos nem ressarcido o valor. O consumidor deve encaminhar o mesmo para vigilância sanitária, que irá destiná-lo a inutilização ou a doação.

Já nas farmácias de responsabilidade do Sistema Único de Saúde, estes medicamentos podem e devem ser devolvidos no local onde foi retirado e outro antibiótico, se disponível dentro da relação de medicamentos dispensados de forma gratuita pelo município, será dispensado após avaliação médica e prescrição da receita.

Referências:

RESOLUÇÃO-RDC Nº 20, DE 5 DE MAIO DE 2011; DOU Nº 87, segunda-feira, 9 de maio de 2011. Seção 1, páginas 39 a 41.

ANVISA, NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº 20/2011; Brasília, 24 de setembro de 2013.

CIM FORMANDO; BOLETIM DO CENTRO DE INFORMAÇÃO SOBRE MEDICAMENTOS Edição nº 02 – Ano IX – jul/ago/set 2011; 8p.

Denise Oliveira Guimarães, Luciano da Silva Momesso e Mônica TallaricoPupo, 2010.Antibióticos: importância terapêutica e perspectivas para a descoberta e desenvolvimento de novos agentes; Quim. Nova, Vol. 33, No. 3, 667-679.

Paola Nicolini et al., 2008. Fatores relacionados à prescrição médica de antibióticosem farmácia pública da região Oeste da cidade de São Paulo.Ciência & Saúde Coletiva, 13(Sup):689-696

Blog da Saúde, 2018. MINISTÉRIO DA SAÚDE. É possível devolver ou trocar um medicamento nas farmácias? Disponível em: <http://www.blog.saude.gov.br/index.php/servicos/53366-e-possivel-devolver-ou-trocar-um-medicamento-nas-farmacias> Acesso em: 8 setembro 2019.

Rosane BleivasBergwerk, 2018. Alergia medicamentosa: sintomas, tratamentos e causas. Disponível em: <https://www.minhavida.com.br/amp/saude/temas/alergia-medicamentosa> Acesso em: 8 setembro 2019.

Por que o mau uso dos antibióticos é uma ameaça para a saúde de toda a população. https://gauchazh.clicrbs.com.br/saude/vida/noticia/2016/07/por-que-o-mau-uso-dos-antibioticos-e-uma-ameaca-para-a-saude-de-toda-a-populacao-6976574.html Acesso em: 9 setembro 2019.

Texto escrito pelas alunas do curso de Farmácia do Centro Universitário de Jaguariúna, Maria Carolina Bertolo Bonin (4º. Semestre) e Franciele Amanda Sobreiro Evangelista (10º. Semestre) sob supervisão da Profa. Dra. Michelle Pedroza Jorge, farmacêutica.

Revisado por Madame Conteúdo.

Confira também:

Minha filha teve queimadura nas córneas com remédio caseiro

@ Mães Amigas

Escrito por: @ Mães Amigas

Confira os 1844 posts publicados pela @ Mães Amigas

Veja Tambm