Peça Infantil O Menino Que Mordeu Picasso

29.11.2013 – Uma boa opção para o domingo de manhã será passar no Instituto CPFL Cultura e conferir a peça infantil O Menino Que Mordeu Picasso. O espetáculo, inspirado no livro de mesmo nome, narra o encontro de Pablo Picasso com uma criança que frequenta seu ateliê e acompanha seu jeito de pintar.

Haverá ainda uma exposição de reproduções da obra do artista José Pancetti, natural de Campinas, e um bate-papo com o público sobre o trabalho do artista e as possíveis conexões com a obra de Pablo Picasso.

Informações

Quando: Dia 01/12, domingo às 10h

Onde: Auditório Umuarama – Instituto CPFL Cultura

Endereço: Rua Jorge Figueiredo Corrêa, 1.632, Chácara Primavera – Campinas/SP

Telefone: (19) 3756-8000

Classificação indicativa: Livre

Capacidade: 162 lugares

Ingressos: Entrada gratuita, por ordem de chegada, com distribuição de ingressos uma hora antes de cada sessão (4 ingressos por pessoa)

Mais informações: www.cpflcultura.com.br

Sinopse: Escrito e dirigido por Marcelo Romagnoli –  responsável, entre outros, pelos trabalhos do premiado grupo Banda Mirim – O MENINO QUE MORDEU PICASSO foi livremente inspirado no livro de mesmo nome de Antony Penrose, traduzido por José Rubens Siqueira e editado no Brasil pela Cosac-Naify em 2010. O espetáculo narra o encontro de Pablo Picasso com uma criança que frequenta seu atelier e acompanha seu jeito de pintar. Em alguns momentos, o menino é o próprio artista quando jovem. A essência da peça pode ser resumida com a citação do próprio Picasso, que disse: Passei a vida tentando aprender a pintar como uma criança. A peça foi escrita em 2012 e é para todos os públicos. No elenco estão Fábio Espósito, ator com grande influência clownesca, com passagem pelo Cirque Du Soleil e com 20 anos de carreira; e Rodrigo Pavon, que veio do grupo paulistano Club Noir. O cenário – de Marisa Bentivegna – reproduz o atelier de Picasso em Cannes, na França, em 1956 e apresenta diversas obras do artista, num grande jogo de cores. Os figurinos são de Fábio Namatame e foram pintados à mão. A trilha original é de Morris Picciotto. Ela brinca com timbres do desenho animado. Em algumas cenas mistura sonoridades espanholas com composições clássicas da vanguarda da época, como Igor Stravinsky. As máscaras foram criadas por Maria Cristina Marconi, baseadasem esculturas de Picasso. O menino que mordeu Picasso apresenta elementos e referências que compõem a obra do pintor, fala de criação, da relação de Picasso com a própria infância e com signos marcantes em sua vida, como a figura do touro, das pombas e as lembranças materna e paterna. A encenação explora as várias possibilidades do encontro, como a relação entre um artista, de olhar maduro, e uma criança, esbanjando criatividade; a sublimação dos elementos cotidianos e a transformação de sucataem arte. O Menino Que Mordeu Picasso pretende, assim, discutir temas importantes para todas as idades: mundo idealizado e mundo real; reciclagem e criação; imaginação e liberdade; razão e emoção.

O menino que mordeu picasso

 

Você pode gostar de ler:

Em cartaz – Parem de falar mal da rotina (com desconto para Mães Amigas)

Agenda do Papai Noel nos shoppings de Campinas

 

paula-rayah

@ Mães Amigas

Escrito por: @ Mães Amigas

Confira os 1592 posts publicados pela @ Mães Amigas

Veja Também