Mitos da amamentação

21.05.2014 – O leite materno é o alimento mais completo para nutrição, crescimento e desenvolvimento do bebê, sendo que a recomendação é que seja oferecido exclusivamente até o sexto mês de vida da criança.

A amamentação é um dos cuidados onde o laço afetivo mãe e bebê mais se estreita.

Amamentar é, sim, um ato fisiológico, porém, sofre uma grande influência do estado emocional da mãe e também está cercado de muitos mitos, os quais acabam deixando, muitas vezes, a mulher insegura e confusa. Estes mitos acabam sendo passados de geração em geração e não têm nenhum embasamento científico.

Assim, para desmitificar o assunto, conversaremos hoje sobre alguns destes mitos.

Mitos da amamentação:

Mito 1 – Amamentar é fácil

Amamentar pode ser cansativo e, muitas vezes, exige paciência e persistência, principalmente no início, onde mamãe e bebê ainda estão se conhecendo, mas vale muito a pena (leia um depoimento de Mãe Amiga aqui).

Mito 2 – Meu leite é fraco

Não existe leite materno fraco. Cada mulher produz o leite específico para o seu bebê, de acordo com suas necessidades. O leite materno tem características diferentes do leite de vaca, vale lembrar que este último é específico para os bezerros e não para bebês.

Mito 3 – Enquanto estiver amamentando não irei engravidar novamente, pois amamentar é um método contraceptivo

Apesar da amamentação aumentar a produção de prolactina, hormônio que inibe a ovulação, não podemos confiar na amamentação como único método contraceptivo. A mulher deve discutir com seu médico e parceiro qual método irão utilizar assim que retomar sua atividade sexual no pós-parto.

Mito 4 – Bicos artificiais, como mamadeiras e chupetas, não interferem no aleitamento materno

Os bicos artificiais não são indicados, principalmente no primeiro mês de vida do bebê, pois existe uma grande diferença entre sugar a mama e sugar uma mamadeira, podendo deixar o bebê confuso e desestimulá-lo a mamar no peito. A chupeta supre a necessidade de sucção da criança e pode substituir o peito em momentos em que deveria estar mamando.

Mitos da amamentação

Mito 5 – A prótese de silicone impede o aleitamento materno

A maioria das mulheres amamenta normalmente com a prótese de silicone. Quando a cirurgia é feita através da região areolar, ocasionalmente existem algumas mulheres que podem ter interferência na saída do leite do peito.

Mitos da amamentação

Mito 6 – A cirurgia de redução de mamas impede a amamentação

Em alguns casos em que há a retirada de glândulas e/ou dutos mamários, o aleitamento materno pode ficar comprometido. Mas, em geral, quando há a preservação destes, a mulher amamenta normalmente.

Mito 7 – Peitos pequenos não produzem leite suficiente

A produção de leite não está relacionada com o tamanho das mamas. O que determina o tamanho é a quantidade de tecido gorduroso. A produção de leite depende das glândulas mamárias.

Mito 8 – Devemos lavar as mamas antes de amamentar

Ao terminar uma mamada, devemos passar o próprio leite materno na região areolar e mamilos. O leite materno protege o bebê contra as infecções, deixa a região protegida, além de ser um ótimo cicatrizante.

Mito 9 – Utilizar bomba extratora de leite pode demonstrar a quantidade de leite que uma mãe consegue produzir

Não é verdade. A quantidade de leite que consegue ser bombeada irá depender de inúmeros fatores, especialmente do estresse da mãe. Um bebê que mame bem poderá conseguir mamar muito mais leite que uma bomba consiga extrair.

Mito 10 – As fórmulas atuais são quase como o leite materno

As fórmulas são apenas semelhantes ao leite materno. As fórmulas não contém anticorpos, células de defesa para os bebês. A proteína e a gordura da fórmula são muito distintas do leite materno. As fórmulas são feitas para fazer com que o bebê cresça bem, mas o leite materno é muito mais que isso.

Mitos da amamentação

Mito 11 –  Se o bebê mama muito significa que o leite não é suficiente

O leite materno é de fácil digestão, assim, os bebês geralmente têm fome mais cedo do que se forem amamentados com fórmula.

Mito 12 – Mulheres que não têm o bico do peito saliente não conseguem amamentar

Os bebês não devem sugar apenas o bico do peito enquanto estão mamando, eles devem abocanhar a maior parte da região areolar para conseguir extrair o leite de maneira efetiva. Em alguns casos, a mãe pode precisar de um auxílio até que o bebê aprenda a fazer esta pega de maneira correta na mama.

Mito 13 – Canjica e cerveja preta aumentam a produção de leite

Não existe relação entre a ingestão de alimentos e o aumento ou diminuição da produção do leite. A descida e a produção vão depender de alguns fatores, o principal deles é a sucção do bebê. A hidratação e o descanso também são importantes. Bebidas alcoólicas são contra-indicadas durante a amamentação, assim como o cigarro, pois podem passar para o leite substâncias prejudiciais.

Mito 14 – Quem volta ao trabalho após a licença-maternidade precisa parar de amamentar

A lei garante que a mãe pode sair uma hora antes do trabalho ou realizar um intervalo especial para amamentar até o sexto mês. Outra opção é retirar o leite anteriormente, armazená-lo em recipientes higienizados e refrigerá-lo. Saiba mais aqui.

Mitos da amamentação

 

Você pode gostar de ler:

Baixa produção de leite materno, por quê?

Como prevenir e tratar fissuras mamilares

Amamentar facilita a produção da fala?

 

Carolina Coppola

Escrito por: Carolina Coppola

Confira os 25 posts publicados pela Carolina Coppola

Veja Também