Minha filha é youtuber, como lidar com a exposição?

 

Michele Lopes
Mãe da Mariana 19 anos e da Giulia 13 anos


“Sou  feliz e agradecida pela experiência, pois percebi que deixar nossos filhos se empenharem naquilo que gostam, é um grande incentivo para um futuro promissor”

 

Minha filha é youtuber, como lidar com a exposição?

09.03.17 – Giulia sempre gostou de conversar sozinha e brincar que estava filmando seus brinquedos. Com 8 anos ela criou o canal Giulia Lopes no YouTube, para acompanhar os canais que gostava de assistir.

Em 2013 um desses canais lançou um concurso cultural, e ela pediu autorização para participar. Só deixei que participasse com a condição de que ela não deveria aparecer no vídeo, somente suas bonecas. E assim tudo começou…

Após um longo período sem postar nada ela pediu minha ajuda para produzir e gravar uma de suas brincadeiras, o casamento da Barbie. Quando esse vídeo foi postado no YouTube teve muitos acessos e gerou muita repercussão em um curto espaço de tempo, pois o boneco que ela usou na brincadeira tinha o bracinho quebrado, e por esse motivo, surgiram vários comentários maldosos, mas também outros em sua defesa.

Mesmo depois de várias polêmicas, minha filha insistiu para que eu deixasse ela gravar e mostrar sua imagem na internet, afinal, o que ela queria era interagir com as pessoas que assistiam seus vídeos.

Vou confessar que no começo tive muito medo da exposição e da forma como ela iria lidar com as críticas e elogios. O mundo está rodeado de perigos e por isso, deixo todas as redes sociais logadas em meu celular, de modo que posso sempre acompanhar as mensagens que a Giulia recebe. Quando algo ou alguém suspeito aparece, nós sentamos e conversamos, para decidirmos que atitude vamos tomar a respeito.

Apesar da pouca idade, hoje ela está com 13, sempre mostrei os perigos que a internet oferece, e graças a Deus temos uma relação aberta e transparente em todos os assuntos aqui em casa.

Permiti que ela aparecesse nos vídeos, porém, sem revelar a cidade em que morávamos. Ficando sempre limitado a gravar dentro do quarto. Posso afirmar que toda essa experiência foi e está sendo muito positiva. Pude ver a capacidade e o amadurecimento da minha filha em encarar problemas, como críticas depreciativas e algumas formas de bullying. Além disso, muitas coisa boas vieram com a exposição. Fico muito feliz em ver minha filha fazendo o que gosta. Ela recebe e retribui carinho, dá conselhos e faz a diferença na vida das pessoas.

Hoje, já revelamos que somos de Campinas/SP. Portas se abriram e pudemos conhecer pessoas maravilhosas. Meu coração se enche de felicidade quando vejo a Giulia produzir, gravar e editar sozinha seus videos e o conteúdo do canal. E além dela contar com a minha supervisão, também troca ideias frequentemente com a irmã mais velha, que a incentiva em tudo.

Apesar de ainda sentir medo da exposição  sou  feliz e agradecida pela experiência, pois percebi que deixar nossos filhos se empenharem naquilo que gostam e faz bem a eles, é um grande incentivo para um futuro promissor.


Canal Youtube:
Giulia Lopes

Minha filha é youtuber, como lidar com a exposição?

Confira também:

Segurança de crianças e jovens na internet

Pesquisa revela impacto da tecnologia nas crianças

Compra, mãe!

@ Mães Amigas

Escrito por: @ Mães Amigas

Confira os 1304 posts publicados pela @ Mães Amigas

Veja Também