Dez passos para alimentação saudável do bebê Ministério da Saúde

Dez passos para alimentação saudável do bebê

17.07.17 – Sabemos como é importante a alimentação saudável do bebê desde seu nascimento. Encontramos uma cartinha que orienta a mãe nessa etapa da maternidade, confira Dez passos para alimentação saudável do bebê segundo o Ministério da Saúde.

Dez passos para alimentação saudável do bebê

Passo 1:

Dar somente leite materno até os 6 meses

Antes dos seis meses, a mãe não deve oferecer complementos ao leite materno como água, chás ou qualquer outro alimento. O Leite materno é tudo que a criança precisa.

É preciso orientá-las:

• Que o leite dos primeiros dias pós-parto, o colostro, é produzido em pequena quantidade e é o leite ideal nos primeiros dias de vida, inclusive para bebês prematuros, pelo seu alto teor de proteínas.

• Que o leite materno contém tudo o que o bebê necessita até o 6º mês de vida, inclusive água.

• Se as mamas não são esvaziadas de modo adequado ficam ingurgitadas, o que pode diminuir a produção de leite. Isso ocorre devido ao aumento da concentração de substâncias inibidoras da produção de leite.

• Em média a produção de leite é de um litro por dia, assim é necessário que a mãe reponha em seu organismo a água (e não outros líquidos) utilizada no processo de lactação.

• As mulheres que precisam se ausentar por determinados períodos, por exemplo, para o trabalho ou lazer, devem ser incentivadas a realizar a ordenha do leite materno e armazená-lo em frasco de vidro, com tampa plástica de rosca, lavado e fervido. Na geladeira, pode ser estocado por 12 horas e no congelador ou freezer por no máximo 15 dias. O leite materno deve ser descongelado e aquecido em banho maria e pode ser oferecido ao bebê em copo ou xícara, pequenos. O leite materno não pode ser descongelado em microondas e não deve ser fervido.

Passo 2:

Aos 6 meses introduzir de forma gradual outros alimentos

Para que o bebê continue crescendo bem, a partir dos seis meses, ele necessita receber outros alimentos além do leite materno. Desta forma, ao completar 6 meses é necessário introduzir de forma lenta e gradual outros alimentos, mantendo o leite materno, até os dois anos de idade ou mais.

Passo 3:

Dar alimentos complementares

Ao completar 6 meses, dar alimentos complementares (cereais, tubérculos, carnes, leguminosas, frutas e legumes) três vezes ao dia, se a criança estiver em aleitamento materno. Ao completar 7 meses deve ser acrescentado ao esquema alimentar a segunda papa salgada. A partir do momento que a criança começa a receber qualquer outro alimento, a absorção do ferro do leite materno reduz significativamente; por esse motivo a introdução de carnes, vísceras e miúdos, mesmo que seja em pequena quantidade, é muito importante.

• Ao completar 6 meses a mãe deve oferecer 3 refeições/dia com alimentos complementares. Essas refeições constituem-se em duas papas de frutas e uma salgada, preparada com legumes e verduras, cereal ou tubérculo, alimento de origem animal (carne, vísceras, miúdos, frango, ovo) e feijões.

• Ao completar 7 meses, essas refeições constituem-se em duas papas salgadas e duas de fruta.

• Ao completar 12 meses recomenda-se que a criança tenha três principais refeições (café da manhã, almoço e jantar) e dois lanches (frutas ou cereais ou tubérculos).

Passo 4

Horários e Intervalos da Refeição

A alimentação complementar deve ser oferecida de acordo com os horários de refeição da família, em intervalos regulares e de forma a respeitar o apetite da criança. O bebê deve receber alimentos quando demonstrar fome. Horários rígidos para a oferta de alimentos prejudicam a capacidade da criança de distinguir a sensação de fome e de estar satisfeito após a refeição. No entanto, é importante que o intervalo entre as refeições seja regular (2 a 3 horas). Algumas crianças precisam ser estimuladas a comer, nunca forçadas.

Passo 5

Alimentação oferecida de colher

A alimentação complementar deve ser espessa desde o início e oferecida de colher; iniciar com a consistência pastosa (papas/purês) e, gradativamente, aumentar a consistência até chegar à alimentação da família, pois é assim que ela garante a quantidade de energia que  a criança precisa para ganhar peso e ter saúde.

Passo 6

Alimentação Variada

Oferecer à criança diferentes alimentos ao dia. Uma alimentação variada é uma alimentação colorida. Só uma alimentação variada oferece à criança quantidade de vitaminas, cálcio, ferro e outros nutrientes que ela necessita. Oferecer duas frutas diferentes por dia, selecionando as frutas da estação, principalmente as ricas em vitamina A, como as amarelas ou alaranjadas e que sejam cultivadas localmente. A papa deve conter um alimento de cada grupo: cereais ou tubérculos,
leguminosas, legumes e verduras e carne ou ovo. A cada dia ela deverá escolher um novo alimento de cada grupo para compor a papa.

Passo 7

Estimular o consumo de frutas, verduras e legumes nas refeições

É necessário estimular o consumo de frutas, verduras e legumes A criança que desde cedo come frutas, verduras e
legumes variados. A criança que desde cedo come frutas, verduras e legumes variados, recebe maiores quantidades de
vitamina, ferro e fibras, além de adquirir hábitos alimentares saudáveis.

• Se a criança recusar determinado alimento, procure oferecer novamente em outras refeições. Lembrar que são necessárias em média, oito a dez exposições a um novo alimento para que ele seja aceito pela criança.

• No primeiro ano de vida não se recomenda que os alimentos sejam muito misturados, porque a criança está aprendendo a conhecer novos sabores e texturas dos alimentos

Passo 8

Alimentos que se deve Evitar

Alguns alimentos não devem ser dados para a criança pequena porque não são saudáveis, além de tirar o apetite da criança e competir com os alimentos nutritivos. Evitar açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinho e outras guloseimas, é necessário nos primeiros anos de vida. O sal deve ser usado com moderação.

É importante que a mãe seja orientada sobre:

• O valor de oferecer alimentos in natura, sem adição de açúcar;

• O consumo de alimentos não nutritivos (ex: refrigerantes, açúcar, frituras, achocolatados e outras guloseimas) está associado à anemia, ao excesso de peso e às alergias alimentares.

• A criança pequena não pode “experimentar” todos os alimentos consumidos pela família, por exemplo, iogurtes industrializados, queijinhos petit suisse, macarrão instantâneo, bebidas alcoólicas, salgadinhos, refrigerantes, doces,
sorvetes, biscoitos recheados, entre outros). Orientar os irmãos maiores e familiares para não oferecerem esses alimentos para a criança.

• A importância da leitura do rótulo dos alimentos infantis antes de comprá-los, evitando oferecer à criança alimentos que contenham aditivos e conservantes artificiais.

Passo 9

Higiene dos Alimentos

Os cuidados de higiene na preparação e na oferta dos alimentos evitam a contaminação e doenças como a diarreia.

É importante que a mãe seja orientada sobre:

• É recomendável oferecer água o mais limpa possível (tratada, filtrada e fervida) para a criança beber. O mesmo cuidado deve ser observado em relação à água usada para preparar os alimentos.

• É importante que as frutas, legumes e verduras sejam levados em água corrente e colocados de molho por dez minutos, em água clorada, utilizando produto adequado para esse fim (ler rótulo da embalagem) na diluição de uma colher de sopa do produto para cada litro de água. Depois enxaguar em água corrente, antes de serem descascados, mesmo aqueles que não sejam consumidos com casca.

Passo 10

Alimentação da criança que está doente

A criança doente precisa comer mais para não perder peso e recuperar-se mais rápido. Por isso, é importante manter
a amamentação e oferecer os alimentos saudáveis de sua preferência.

• Entre os alimentos saudáveis, deve-se oferecer para a criança os de sua maior preferência, em quantidades pequenas e com maior frequência. A criança pode ter o apetite diminuído quando está doente.

• Nos casos das crianças febris e/ou com diarréia, a oferta de líquidos e água deve ser aumentada. Esses líquidos devem ser oferecidos no intervalo das refeições e, de preferência, em xícaras ou copos. O uso de mamadeira aumenta o risco de infecções e diarreia.


Dez passos para alimentação saudável do bebê Ministério da Saúde

Retirado de Ministério da Saúde
Confira toda a cartilha clicando aqui!

 

Confira Também:

O bebê precisa mesmo ganhar tanto peso nos primeiros meses?

Primeira papinha do bebe Murilo

Introduzir alimentos sólidos para o bebê

 

@ Mães Amigas

Escrito por: @ Mães Amigas

Confira os 1448 posts publicados pela @ Mães Amigas

Veja Também