Criança autoritária, como lidar?

14.12.2015 – Que mãe que nunca se irritou quando o filho ergueu a voz, apontou o dedo ou bateu o pé quando quis alguma coisa? Ou até mesmo, quando parou para observar o filho e percebeu que ele é sempre o “mandão da turminha”, que tudo deve ser do jeito dele e caso contrário ele “surta”? Algumas características podem ser da personalidade, mas e criança autoritária, como lidar?

Será que aquele comportamento é comum ou exagerado? Alguns dizem que a mãe é “mole” e não pega firme, outras dizem que essa fase passa. Mas quando devemos podar algumas atitudes ou se preocupar com o autoritarismo para que não se agrave e traga problemas sérios?

Conversamos com a nossa colunista que é psicóloga, Thais Barros:

Criança autoritária, como lidar?

O que é uma criança autoritária?

São crianças que se comportam, predominantemente, de modo agressivo, tem dificuldades em seguir regras, não consideram os sentimentos e necessidades dos outros e demonstram baixa tolerância à frustração. Ou seja, crianças que querem tudo ao seu modo, no seu tempo e ficam muitos mais voltados a atender suas próprias necessidades, muitas vezes não se sensibilizando ao outro.

Como identificar se meu filho é autoritário?

A criança autoritária tem dificuldades em ouvir “não” e seguir regras. Quando é contrariada, demonstra irritação e birra, é insistente e acata pouco a opinião dos outros. Em algumas situações os comportamentos autoritários aparecem pouco em casa, isso porque os pais/cuidadores, já conhecendo o padrão comportamental da criança, podem evitar entrar em embates, ou seja, evitam contrariar a criança sabendo que terão dificuldade em manejar os comportamentos consequentes, como choro e insistência. Isso dá a sensação de os comportamentos-problema são menos presentes do que na realidade são, ou de que outras pessoas, como funcionários da escola/amigos/ parentes não sabem manejar o comportamento da criança.

Quais os fatores que influenciam para uma criança tornar-se autoritária?

Em geral, o autoritarismo infantil está ligado à falta de limites e pouca exposição à frustrações. A criança aprende que deve ser servida pelos outros.

Até que ponto isso é normal e quando deve-se buscar ajuda?

O autoritarismo pode trazer prejuízos à vida social e ao desenvolvimento psicológico da criança. Isso porque ela pode entender que todos devem servi-la, quando na prática, pode acabar sendo rejeitada pelos iguais, que podem simplesmente desistir de ficar próximos dela, aumentando assim, as chances de se tornarem inseguras socialmente. Deve-se procurar ajuda ao observar que a criança não nota a influência de seus comportamentos sobre os outros e sofre em consequência disso. Se a criança entende, erroneamente, que aceitar tudo que ela impõe é sinal de que é querida, ao notar que os outros desistem de ficar perto dela, pode sentir-se confusa e frustrada e isso pode agravar os comportamentos indesejados.

De que forma o autoritarismo pode prejudicar a criança na vida escolar?

Do ponto de vista social, a criança autoritária tende a ser vista como “mandona” pelas demais. Isso pode ser bastante prejudicial na formação dos vínculos afetivos à medida em que pode ser rejeitada pela maioria e vincular-se principalmente àquelas mais passivas, que acabam fortalecendo o padrão autoritário. Ao sentir-se pouco querida, tem sentimentos de frustração, sentimentos com os quais já tem dificuldades em lidar, levando a outros problemas de comportamentos, como as birras.

Em relação à aprendizagem, estar pouco aberta à ajuda e a ouvir os outros quando tem dificuldades com conteúdos disciplinares, pode acarretar em ainda mais dificuldades escolares.

Qual a diferença de uma criança que exerce liderança e uma criança autoritária?

O comportamento de liderança é um comportamento complexo e desejável, que exige boas habilidades sociais da criança, como saber se expressar, se colocar, saber ouvir, saber validar e considerar a opinião dos outros. A criança autoritária, por sua vez, tem um déficit em seu repertório social, tem dificuldades em ouvir e ficar sob controle dos outros, tem dificuldades em esperar e em se expressar de modo a não ferir os sentimentos das outras pessoas.

O que devo fazer para meu filho deixar de ser uma criança autoritária?

As regras e limites devem ser colocados de modo claro e equilibrado. As regras devem ser claras, no sentido de expressar em que condições devem ser seguidas (quando), e as consequências para o seguimento (o que acontece quando obedecer) e para o não seguimento destas (o que acontece se desobedecer). O excesso de regras pode ser tão prejudicial quanto a ausência delas.

Esse tipo de criança pode carregar consequências para a vida adulta?

Os possíveis desdobramentos dos comportamentos autoritários, tais como afastamento dos colegas, dificuldades e insegurança sociais, sentimento de baixa autoestima, agressividade e intolerância à frustração podem trazer dificuldades na vida adulta.

 

Thais Barros

Escrito por: Thais Barros

Confira os 3 posts publicados pela Thais Barros

Veja Também