Como identificar transtornos alimentares nos filhos?

Como identificar transtornos alimentares nos filhos?

03.08.2015 – Transtornos alimentares como anorexia e bulimia têm sido cada vez mais frequentes entre adolescentes e até em crianças. A preocupação excessiva com o corpo, influenciada principalmente pela exposição de celebridades, modelos e blogueiras nas mídias sociais, têm influenciado essa geração que acaba vivendo em busca do corpo perfeito.

A alimentação da criança e do adolescente pode ser influenciada também por  fatores como padrão familiar, marketing e características grupais. Porém sabemos que na puberdade ocorrem mudanças biopsicossociais que podem interferir no amadurecimento emocional e, consequentemente, levar a alterações nas escolhas alimentares.

Como identificar transtornos alimentares nos filhos?

Quando a busca por um corpo cada vez mais magro passa a ser uma obsessão, com uma restrição alimentar significativa, uso de dietas de baixíssimas calorias, indução de vômitos após a ingesta alimentar, uso de agentes laxativos sem necessidade e/ou dedicação extrema às atividades físicas, podemos pensar que está ocorrendo um transtorno alimentar.

Como identificar transtornos alimentares nos filhos?

Os transtornos alimentares têm como características comuns:

– uma intensa preocupação com o peso e o medo excessivo de engordar

– uma percepção distorcida da forma corporal

– auto-avaliação baseada no peso e na forma física.

 

 

Entenda melhor:

Tipos mais comuns de transtornos alimentares:

Anorexia nervosa

Caracteriza-se por uma procura incansável pela magreza, levando o paciente a uma severa e auto-induzida perda de peso, utilizando recursos extremos como longos períodos de jejum, exercícios físicos excessivos, vômitos voluntários, uso de laxantes, diuréticos ou moderadores de apetite no intuito de forçar uma perda de peso cada vez maior. Há distorção de imagem corporal e os ciclos menstruais ficam interrompidos por no mínimo três meses.

Bulimia          

Apresenta-se como uma sensação de completa perda de controle alimentar em que o paciente ingere compulsiva e indiscriminadamente grandes quantidades de alimentos em um período muito curto de tempo – episódio bulímico. Esta ingestão é seguida de um sentimento de culpa, vergonha e medo de engordar, levando o paciente a induzir o vômito, em geral várias vezes ao dia, bem como ao uso de laxantes, diuréticos ou inibidores de apetite e à prática de exercícios físicos de maneira exagerada.

Fonte: Ambulin – USP

 

Complicações:Como identificar transtornos alimentares nos filhos?

Com a diminuição da porcentagem de gordura corporal podem ocorrer diversas complicações como: alterações hormonais, interrupção do ciclo menstrual, atraso na puberdade e parada do crescimento. Também ocorrem diminuição da resistência imunológica, anemia, esofagite, alterações bucais, desnutrição. Em casos graves podem ocorrer arritmias e óbitos (o risco de mortalidade é de 5 a 15% dos casos).

É muito comum a associação de patologias psiquiátricas como ansiedade e depressão.

Quando suspeitar que seu filho pode estar com um transtorno alimentar?

Os pais devem estar alertas a alterações comportamentais, preocupação extrema com a alimentação, contagem de calorias, prática excessiva de atividades físicas, oscilações de peso, insatisfação com o próprio corpo. Pular refeições, esconder alimentos, exercitar-se em segredo e buscar um padrão de beleza inatingível podem indicar uma fase mais avançada do quadro.

Como prevenir?

Quem já têm o hábito de fazer dieta e que possui uma preocupação em emagrecer deve tomar cuidado para não estimular esse comportamento em seus filhos. Também ficar atentos às páginas acessadas na Internet, mídias sociais, ao círculo de amizades e à influência de grupos que idealizam o corpo perfeito.

Os pais devem estimular seus filhos a terem uma alimentação saudável, variada e equilibrada.  E principalmente ensiná-los a terem uma boa imagem de si mesmos e a cuidarem da sua auto-estima.

Gostaria de salientar que os transtornos alimentares podem ser graves e necessitam uma abordagem multiprofissional com acompanhamento médico, psiquiátrico, psicológico e nutricional. É possível reverter esse comportamento com a detecção precoce, prevenindo suas complicações.

Saiba mais: www.ambulin.org.br

 

Como identificar transtornos alimentares nos filhos?

Priscila Panzarella

Escrito por: Priscila Panzarella

Confira os 17 posts publicados pela Priscila Panzarella

Veja Também