Como escolher o melhor berçário para seu filho

12.02.2015 – Hoje iremos dar dicas de como escolher o melhor berçário para seu filho. Sabemos o quanto essa fase é difícil para a mãe, afinal queremos proteger e cuida dos nossos pequenos com muito carinho e zelo. Portanto a nossa colunista e pediatra Dra. Silvia Castilho listou alguns pontos importantes para você refletir antes fazer a sua escolha. Boa leitura e boa sorte nessa fase!

Como escolher o melhor berçário para seu filho

Qual o momento ideal para colocar o bebê no berçário?

Atualmente orienta-se o estímulo ao aleitamento materno exclusivo até o sexto mês de vida, prolongado se possível até os 2 anos. Assim, pelo menos até o 6º mês, seria interessante a mãe ficar em casa com seu bebê. Sabemos, no entanto, que muitas mães têm uma licença-maternidade menor, a melhor hora, caso a mãe trabalhe fora, é a que for necessária.

Caso não exista essa necessidade, uma idade muito aceita para esse evento é a de 2 anos, pois nessa idade a criança poderá aproveitar mais todas as atividades que as escolas oferecem.

Babá, avós ou berçário… qual a melhor opção? Todas as opções têm vantagens e desvantagens. É importante analisar todos os fatores que envolvem esse momento da vida da criança para que ela possa crescer e se desenvolver dentro de suas potencialidades, com saúde, harmonia e respeito.

Por que há tanto receio dos pais na hora de escolher um berçário?

O primeiro entrave é a sensação que alguns pais vivenciam de estarem abandonando seus filhos e os riscos que essa atitude possa causar em relação à sua integridade física. Existe também a ideia de que se a criança esperasse até os 2 anos para entrar na escola, ela poderia contar se alguém judiasse dela.

Outras perguntas que pairam no imaginário dos pais:
– E se a criança não gostar da escolinha e eu tiver que sair do trabalho para buscá-la?
– E se a criança gostar demais da escolinha? Será que isso aconteceu porque “ela não gosta mais de mim”?

Pena, culpa, tristeza, sensação de abandono, de crueldade são emoções que interferem na clareza e na beleza desse momento de transição que é necessário e deveria ocorrer de forma tranquila e natural.

O que deve oferecer um berçário bem escolhido? Como escolher o melhor berçário?

Mais uma resposta de difícil consenso. Tudo vai depender das expectativas, dos valores da família, das propostas que as escolas apresentam e da maturidade e idade das crianças. O ideal é que esses fatores estejam em harmonia.

Métodos tradicionais de ensino, mais rígidos, com mais regras e disciplina ou ensino mais liberal, com atividades em grupo, estimulando a socialização e a independência?

Como escolher o melhor berçário

Um berçário bem escolhido deve oferecer oportunidades. As crianças devem ter a chance de desenvolver seus potenciais, sem serem “forçadas” a nada para o que não estejam preparadas. Os seus pontos fortes devem ser descobertos e incentivados e suas fragilidades podem ser protegidas e apoiadas para que possam evoluir de uma forma saudável e serena.

Mas, acima de tudo, o berçário deve privilegiar as atividades mais importantes para a faixa etária da criança, de tal forma que ela cresça feliz. O brincar descompromissado nas faixas etárias menores, pode seguir alguma linha educacional à medida que a criança cresce.

É importante que a filosofia do berçário, que há tempos deixou de ser um “depósito de crianças”, tenha coerência com os ideais da família. Muitos buscam uma escola que seja produtiva, eficiente, séria e se esquecem do lazer, do prazer, do brincar e das necessidades, tais como as horas de sono, relacionadas à idade da criança.

Deve-se verificar se os profissionais são bem preparados em todas as áreas (higiene, saúde, ensino) e se tem um espaço adequado e seguro tanto para os dias quentes e ensolarados quanto  tanto para os dias frios ou chuvosos.

Em relação à alimentação é importante observar se existe orientação de uma nutricionista, de modo que as refeições sejam adequadas, tanto na apresentação quanto na qualidade e quantidade para cada faixa etária, evitando-se o consumo excessivo e alimentos industrializados altamente processados.

Como escolher o melhor berçário

Em resumo, aconselho os pais a levarem em conta na escolha da escola:

– A localização da escola e sua facilidade de acesso

– Sua estrutura física

– A alimentação

– Os horários

– A Segurança e a higiene

– A orientação pedagógica da escola

– Suas atividades educacionais e seus custos mensais.

Utopia? Acho que não.

Difícil? Pode ser.

Possível? Com certeza.

Crianças adoecem mais quando estão no berçário. Isso é real? Eles criam mais anticorpos?

O início da “vida escolar” das crianças de baixa idade pode trazer um aumento, temporário ou não, do aparecimento de doenças infecto-contagiosas, respiratórias ou digestivas. Isso acontece por seu sistema imune ser ainda imaturo (tanto mais imaturo, quanto menor a criança). Além disso, a medida em que se amplia o contato com outras crianças vindas de diferentes famílias com hábitos nutricionais, vacinais, higiênico-dietéticos distintos, amplia-se também o risco.
Criar anticorpos é uma atividade constante do nosso organismo, sempre que ele for estimulado a isso. Não só na escola, mas também nos shoppings, nos clubes, em festas infantis, nos parques, as crianças podem estar expostas a esses agentes patogênicos.
Com o acompanhamento pediátrico adequado e constante, avaliando a idade, as defesas e os agentes a que essas crianças são submetidas, a decisão de manter ou não a criança na escolinha se tornará mais clara e segura.

Como escolher o melhor berçário

Veja também:

Volta ao mercado de trabalho… E agora?

Separação Mãe-bebê: “Escolinha, aí vou eu”

Silvia Castilho

Escrito por: Silvia Castilho

Confira os 54 posts publicados pela Silvia Castilho

Veja Também