Clima seco afeta saúde das crianças

01.09.14 – Muitas mães se perguntam como o clima seco afeta saúde das crianças, hoje iremos falar um pouco sobre isso. Umidade relativa do ar, dispersão de poluentes, índice pluviométrico, reserva técnica da Cantareira são alguns dos termos muito ouvidos nos últimos meses, todos resultando em preocupações e problemas de saúde com os quais a população do Estado têm convivido diariamente.

Como o clima seco afeta saúde das crianças?

Clima seco afeta saúde das crianças

Sintomas como dores de cabeça, nariz entupido e ressecado,sangramento nasal, olhos vermelhos e secos, crises de falta de ar (rinite, bronquite, laringite) estão prejudicando a saúde e a qualidade de vida de crianças e adultos. As crianças e os idosos são os mais afetados, gerando um aumento de 40% nos atendimentos dos pronto-socorros e consultórios médicos.

 Alguns desses índices estão preocupando os especialistas e a divulgação de informações mais claras e práticas se fazem necessárias, tanto para a prevenção, quanto para a detecção e atuação precoces.

Mas como identificar um clima seco? A umidade relativa do ar 
é um índice que mostra 
o percentual de água na forma de vapor existente no ar em relação ao total máximo que poderia existir, na temperatura observada. 

A umidade do ar é mais baixa principalmente no final do inverno e início da primavera, no período da tarde, mas atualmente estamos em uma situação desfavorável, pois há meses as medições vem apontando baixa umidade e o clima seco afeta saúde das crianças.

Recomendações a saúde X Umidade do ar

O ideal, segundo a OMS, é que o índice de umidade esteja acima de 60%, estando aceitável entre 30 e 60%. Quando os índices estão abaixo de 30%, adota-se uma escala que aponta os níveis de criticidade da umidade do ar, classificados em atenção, alerta e emergência. Assim, de acordo com cada nível, existem recomendações importantes que são divulgadas e devem ser seguidas para evitar problemas de saúde.

Estado de Atenção – Entre 21 e 30%

• Evitar exercícios físicos ao ar livre entre 11 e 15 horas

• Umidificar o ambiente com vaporizadores, toalhas molhadas, recipientes com água, molhamento de jardins, etc.

• Sempre que possível permanecer em locais protegidos do sol, em áreas vegetadas, etc

• Consumir bastante água

Estado de Alerta – Entre 12 e 20%

• Observar as recomendações do estado de atenção

• Suprimir exercícios físicos e trabalhos ao ar livre entre 10 e 16 horas

• Evitar aglomerações em ambientes fechados

• Usar soro fisiológico para olhos e narinas

Estado de Emergência – Abaixo de 12%

• Observar as recomendações para os estados de atenção e de alerta

• Determinar a interrupção de qualquer atividade ao ar livre entre 10 e 16 horas como aulas de educação física, coleta de lixo, entrega de correspondência, etc

• Determinar a suspensão de atividades que exijam aglomerações de pessoas em recintos fechados como aulas, cinemas, etc., entre 10 e 16 horas

• Durante as tardes, manter com umidade os ambientes internos, principalmente quarto de crianças, hospitais, etc.

Clique aqui e saiba como está a umidade do ar no dia de hoje em Campinas e Região

Clima seco afeta saúde das crianças

Nos últimos meses a situação tem se mostrado progressivamente preocupante. Estamos vivendo em estado de atenção e em algumas localidades de alerta.

Com baixa umidade do ar, poucas chances de chuva e a queda intensa dos níveis de reserva do abastecimento de água das cidades, a qualidade do ar é afetada. Além disso, devemos lembrar que o nível de poluentes também interfere na qualidade do ar e na saúde.

Nível da Qualidade do ar X Risco à Saúde

Nível 1 (Boa qualidade) – Sem riscos

Nível 2 (Moderada) – Tosse seca e cansaço. A população, em geral, não é afetada

Nível 3 (Ruim) – Toda a população pode apresentar sintomas como tosse seca, cansaço, ardor nos olhos, nariz e garganta. Crianças, idosos e pessoas com doenças respiratórias e cardíacas podem apresentar efeitos mais sérios na saúde

Nível 4 (Muito Ruim) – Toda a população pode apresentar agravamento dos sintomas como tosse seca, cansaço, ardor nos olhos, nariz e garganta e ainda falta de ar e respiração ofegante. Efeitos ainda mais graves podem acometer crianças, idosos e pessoas com doenças respiratórias e cardíacas)

Nível 5 (Péssima) – Toda a população pode apresentar sérios riscos de manifestações de doenças respiratórias e cardiovasculares. Ocorre aumento na mortalidade em pessoas de grupos sensíveis.

Para que possamos tomar providências é necessário nos mantermos informados a respeito desses índices, tanto para contribuirmos no controle do consume de água, quanto para adotarmos medidas preventivas em relação à nossa saúde.

 

Recomendações gerais:

 

• Hidratação – tomar mais líquidos de rotina, sem esperar sentir sede (que já pode ser um sinal de uma desidratação leve)

• Se sentir olhos ou nariz ressecados, usar soro fisiológico em nariz ou olhos para umidificar

• Umidificar o ambiente (quartos) ou com aparelhos umidificadores ou mesmo com bacias de água ou toalhas molhadas estendidas (não encharcadas)

• Cuidados de higiene com a casa e com o ambiente de trabalho (ar condicionado, limpeza com panos úmidos e não com aspiradores ou espanadores)

• Economizar água no banho, na escovação dos dentes, lavagem de carros para que não entremos no risco de rodízio no abastecimento de água

• Cuidados com a qualidade no ar, evitando poluir mais ainda o ambiente.

*Fonte site Difundir

 

 

Você pode gostar de ler:

Conjuntivite aumenta com o clima seco

Febre: o que é, quando e como tratar?

Bronquiolite e chiado no peito

 

Silvia Castilho

Escrito por: Silvia Castilho

Confira os 54 posts publicados pela Silvia Castilho

Veja Também