? Mães Amigas - 10 respostas centrais sobre as infecções das vias aéreas superiores

10 respostas centrais sobre as infecções das vias aéreas superiores

27.02.2018 – As infecções das vias aéreas superiores atingem pessoas de todas as idades, mas principalmente crianças e idosos. Por isso, trata-se de uma das doenças infecciosas que mais frequentemente afeta a população.

Pensando em sanar as principais dúvidas que os pais possuem sobre essas inflamações, nós conversamos com o médico pediatra Alfonso Eduardo Alvarez. Ele possui vasta experiência profissional principalmente nas áreas de pneumologia e alergia pediátrica.

O Dr. Alfonso esclarece que as infecções das vias aéreas superiores não necessitam ser sempre combatidas com antibióticos e que possuem como tratamento mais eficiente a limpeza nasal com soro fisiológico várias vezes por dia. Além disso, se a criança começar a ter febre, é importante que ela seja avaliada após 48hs, caso o sintoma persista. O motivo é que, em geral, esse é o tempo necessário para que os indícios de um quadro viral ou bacteriano apareçam no exame clínico.

 

Alfonso Eduardo Alvarez

Pneumologista pediátrico, mestre e doutor em saúde da criança e adolescente pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e palestrante na área de pediatria e pneumologia pediátrica. Pesquisador, possui artigos científicos e capítulos de livros publicados.

 

10 respostas centrais sobre as infecções das vias aéreas superiores

Quais são os sintomas mais frequentes das infecções das vias aéreas superiores?

Em geral, esses quadros começam com coriza e obstrução nasal. Em seguida, há tosse e, muitas vezes, febre.

 

O que diferencia uma gripe de um resfriado?

Os sintomas iniciais são os mesmos. A gripe, entretanto, acarreta um quadro mais intenso, que cursa com febre alta, mal-estar, muita tosse e apresenta maior risco de evolução para complicações como pneumonia.

 

Essas infecções sempre necessitam de antibióticos para serem combatidas?

Não! Muito pelo contrario: a grande minoria delas vai necessitar antibióticos. Isso porque as infecções das vias aéreas superiores podem ser causadas por vírus ou bactérias. Quando as inflamações são causadas por vírus, os antibióticos são dispensáveis. Esse tipo de medicamento é utilizado apenas quando as infecções são desenvolvidas por bactérias.

 

Como é possível saber se a infecção é causada por vírus ou bactérias?

À rigor, essa diferenciação só pode ser feita através de análise laboratorial da secreção. Na prática, porém, o pediatra, através da história clínica e de um bom exame físico, consegue avaliar se trata-se de um quadro de vírus ou bactérias e assim tomar a decisão de usar ou não antibióticos.

 

Como é feito o tratamento dessas infecções?

O procedimento mais importante é a limpeza nasal com soro fisiológico várias vezes ao dia. Essa medida é fundamental para evitar o acúmulo de secreções nas vias aéreas, tendo em vista que o escorrimento acumulado é que muitas vezes vai para o ouvido e para os seios da face, levando a quadros de otites e sinusites. Dependendo dos sintomas e da idade da criança, podem também ser indicados descongestionantes e medicamentos para fluidificar as secreções.

 

Quando devo procurar o pediatra para saber se o quadro é viral ou bacteriano?

Em geral, com o início dos sintomas, o importante é a limpeza nasal com soro fisiológico e muita hidratação, para a secreções ficarem mais fluidas. Relembro isso para explicar que a maioria dos quadros é autolimitado e melhora espontaneamente com medidas simples. Caso a criança esteja apresentando dificuldade respiratória, prostração ou vômitos ao ponto de não conseguir manter-se hidratada, é necessário procurar prontamente o atendimento pediátrico. Além disso, se a criança passar a ter febre, é importante que ela seja avaliada após 48 hs, caso o sintoma persista. O motivo disso é que, em geral, esse tempo é necessário para que apareça no exame clínico indícios de se tratar de um quadro viral ou bacteriano.

 

Quais são as possíveis complicações dos quadros de infecção das vias aéreas superiores?

A principal complicação é a ocorrência de pneumonia. Ou seja, os microrganismos que estão infectando as vias aéreas superiores podem atingir as vias aéreas inferiores e chegar até os pulmões, culminando na doença citada.

 

Como o pediatra vai saber se houve o desenvolvimento de pneumonia?

É por isso que é fundamental um exame físico detalhado. Através da ausculta, o pediatra identifica se há indícios de pneumonia, e, se necessário, solicita uma radiografia de tórax.

 

E no caso das sinusites? É necessária uma radiografia para saber se devemos ou não dar antibióticos?

Hoje, considera-se que as infecções de vias aéreas superiores atingem também os seios da face e, dessa forma, esses quadros são chamados de rinossinusites. Em geral, trata-se de casos que começam com uma infecção viral cuja melhora acontece espontaneamente. Às vezes, porém, a secreção acumulada é colonizada por bactérias e, por isso, serão necessários antibióticos. Atualmente, considera-se que um quadro viral durará no máximo 10 dias. Sendo assim, nos casos que ultrapassam 10 dias e pioram, ao invés de melhorar, deve ser considerado que há colonização por bactérias e iniciar o uso de antibiótico, não sendo necessário realizar a radiografia de seios da face.

 

E a tosse, deve ser combatida?

A tosse é um importantíssimo mecanismo de defesa. Por isso, ela não deve ser combatida. O sintoma é responsável por impedir que as secreções das vias aéreas superiores atinjam os pulmões e, dessa maneira, deve ser considerada uma aliada no combate às infeções. O procedimento ideal a ser tomado é tentar diminuir a presença de secreções nas vias aéreas superiores, pois na medida em que o quadro melhorar e as secreções diminuírem, naturalmente a tosse vai cessar.

 

Confira também:

7 respostas sobre o ar condicionado

@ Mães Amigas

Escrito por: @ Mães Amigas

Confira os 1650 posts publicados pela @ Mães Amigas

Veja Tambm